quinta-feira, setembro 21, 2017

O Olavo de Carvalho também apontou uma arma para mim. Só que ele atirou!

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Dizem por aí que uma filha do Olavo anda dizendo que ele apontou uma arma para ela, e outras coisas mais.

Para mim, ele apontou não uma, mas várias, durante anos, desde 1999. A primeira bala que me atingiu foi um livrinho sobre erística, que naquela época era palavrão para mim. Feriu-me profundamente; feriu minha enorme ignorância. Depois, esse atirador de elite, um verdadeiro snipper, me feriu com o Imbecil Coletivo. Como eu era professor universitário, me senti incluído no coletivo e me achei bastante imbecil. Meu amor próprio, a tal auto-estima, foi para o hospital. Outro petardo veio com o Jardim das Aflições, que me causou várias aflições. Com mais de quarenta anos e com dois filhos para criar, eu não podia ficar muito tempo no hospital e esperava que o Olavo tivesse pena e parasse de me atirar. Mas não. Ele continuava semanalmente com seus artigos em vários jornais nacionais e com vários livros: sobre o futuro da inteligência brasileira, sobre os quatro discursos de Aristóteles, etc. Tudo parecia se destruir frente a chuva de balas que me atingia. Esse cara é, na verdade, um exército em posição de ataque.

Como não conseguia sair do hospital, levei meus filhos para lá e eles começaram a levar balas. Com o tempo, com os cursos e os vários livros que lemos, descobrimos que estávamos no Brasil e não no hospital. A percepção do Brasil como hospital foi nossa maior descoberta. Descobrimos também que não havia médicos nesse hospital, exceto o Olavo. Aquelas balas, que sentíamos como balas, eram os remédios amargos que ele nos fazia tomar, para nos curar. 

Pouco a pouco, começamos a melhorar. Não saímos do hospital, pois ele é muito grande, mas agora tomamos as balas, ou melhor, os remédios, com gratidão, com afeto. Um dia, quem sabe, seremos também bons snippers.

Que Deus abençoe o grande Olavo!

quarta-feira, setembro 20, 2017

Papa Francisco criou ontem a "ciência" do casamento e da família.

Por meio de um Motu Proprio (Suma Familiae Cura) o Papa criou ontem o Instituto Pontificial e Teológico João Paulo II para as Ciências do Casamento e da Família. Esse instituto substitui o antigo Instituto João Paulo II para Estudos sobre o Casamento e a Família, fundado, a pedido do Papa João Paulo II, pelo Cardeal Caffara, recentemente falecido, logo depois do Sínodo da Família de 1980.

Parece que temos um papa bastante científico, aquecimentista, evolucionista e tudo o mais. Agora teremos a "ciência" da família e do casamento. Se acontecer com essa tal ciência o que está acontecendo com as outras ciências (ver Manual Politicamente Incorreto da Ciência), que Deus nos acuda!

A ordem da natureza fascina tanto a Igreja hoje que ela esqueceu a Ordem da Graça. Sugiro que se crie um instituto da ciência da Transubstanciação, ou da Remissão dos Pecados, ou mesmo da Redenção. Já imaginaram um aparelhinho que apita quando todos os seus pecados forem perdoados pelo Sacramento da Penitência. É a certeza do Perdão, cuja falta tanto enloqueceu Lutero e, com ele, o mundo inteiro.

Para a notícia completa, em inglês, de mais um grande evento desse pontificado, clicar aqui.

terça-feira, setembro 19, 2017

Papa "excomunga" os climato-céticos

Este é o tílulo de um artigo de Francesca de Villasmundo para o Midia-Presse.info. Ela reporta a fala do Papa Francisco durante o voo (mais um papo de avião) da Colômbia a Roma. A fala do papa, segundo a articulista é esta.

"Aqueles que negam deviam procurar os cientistas e lhes perguntarem. Eles se exprimem muito claramente: 'As mudanças climáticas são vistas por seus efeitos' e todos nós temos uma responsabilidade moral de tomar decisões. Que cada um pergunte aos cientistas e, em seguida, decida. A história julgará suas decisões.

"Uma frase tirada do Antigo Testamento me vem à mente: O homem é estúpido. Quando não quer ver, não vê".

Esta fala do Papa tem muitas conotações. Primeiro mostra, na melhor das hipóteses, sua imensa ignorância no assunto que comenta. Os verdadeiros climatologistas são unânimes em negar o aquecimento global. Só uma referência bastaria ao Papa: esta aqui de Lord Mockton.

Outra coisa. Como dói ouvir de um Papa que a história julgará nossas decisões. Meu Deus! Vê se eu seria católico se me preocupasse com o julgamento da tal história. Eu me preocupo com o julgamento de Deus, com o fogo do Inferno! Que se dane a história!

Finalmente. Como somos todos estúpidos por não querermos ver, vou seguir a sugestão do Papa e perguntar aos cientistas se existe Deus e depois tomar minha decisão. Conto para vocês depois.



terça-feira, setembro 12, 2017

Festa do Santíssimo Nome de Maria: uma festa muito inoportuna nos tempos que correm.

A festa do Santíssimo Nome de Maria foi estabelecida por Inocêncio XI, em 1683, em lembrança de uma memorável vitória conseguida pelos cristãos sobre os turcos, com a proteção visível da Rainha do Céu. Cento e cinquenta mil turcos avançaram até os muros de Viena e ameaçavam a Europa inteira. Sobieski, rei da Polônia, veio em socorro da cidade assediada no tempo da oitava da Natividade da Santa Virgem, e se dispôs empreender uma batalha geral. Esse príncipe religioso começa por fazer celebrar uma Missa, que ele mesmo acolitou, com os braços em cruz. Depois de se comungar com fervor, ele se levanta ao fim do Sacrifício e brada: "Marchemos com confiança sob a proteção do Céu e com a assistência da Santíssima Virgem". Sua esperança não foi em vão: os turcos, tomados de um terror pânico, empreenderam a fuga desordenadamente. 

Desde essa época memorável, a festa do Santíssimo Nome de Maria é celebrada na oitava de Sua Natividade. São Pio X fixou a data de 12 de setembro para a festa.

A santíssima Virgem sempre foi uma guerreira celeste contra os mulssumamos e certamente não nos deixará desprotegidos agora, em tempos tão difíceis.

Ó Maria concebida sem pecados, rogai por nós que recorremos a Vós!


quinta-feira, setembro 07, 2017

Morre Cardeal Caffarra, mas suas palavras permanecerão!

Resultado de imagem para cardeal caffarra

Cardeal Carlo Cafarra, um dos signatários das Dubia, acaba de falecer. As palavras seguintes são sua mensagem para as famílias católicas de todo o mundo, nesses tempos de muita confusão. Lembrem-se que foi ele o recipiente da mensagem de Nossa Senhora, por meio da irmã Lúcia em pessoa, que dizia que a última batalha entre o demônio e Nosso Senhor seria em torno da família e do casamento.

"Direi a vocês muito francamente que não vejo nenhum outro lugar fora da família onde a fé em que devemos crer e na qual devemos viver pode ser transmitida de modo integral. Ademais, na Europa, durante o colapso do Império Romano e durante as posteriores invasões bárbaras, o que os monastérios beneditinos então fizeram pode igualmente ser feito, agora, pelas famílias de crentes, no reino atual de um barbarismo espiritual-antropológico. E graças a Deus elas (as famílias fiéis) existem e ainda resistem.

"Um pequeno poema de Chesterton me traz esta reflexão; ele o escreveu no começo do século XX: The Ballad of the White Horse. É uma grande meditação poética sobre um fato histórico. Este tem lugar no ano de 878. O Rei da Inglaterra, Alfredo, o Grande, acabara de vencer o Rei da Dinamarca, Guthrum, que tinha invadido a Inglaterra. E então houve um momento de paz e serenidade. Mas durante a noite depois da vitória, o rei Alfredo tem uma terrível visão: ele vê a Inglaterra sendo invadida por outro exército, que é descrito assim: '...ele veio com pergaminho e lápis [um exército estranho, de fato, que não tem armas, senão papel e lápis - Cardeal Caffrra], e sério como um clérigo barbeado. Por este sinal deveis reconhecê-los. Que eles arruínam e trazem as trevas. Conhecedes vós o velho bárbaro. O bárbaro está de volta.'

"As famílias católicas são a verdadeira fortaleza. E o futuro está nas mãos de Deus."


terça-feira, setembro 05, 2017

Porta-voz de Macron prevê ansiosamente um presidente mussulmano para a França



Esse fulano da foto é Bruno Roger-Petit, porta-voz de Macron. Ele prevê um presidente mussulmano para a França num futuro próximo.

Ele diz:

"Sim, a França vai mudar, como sempre mudou. Sim, os franceses de cultura mussulmana vão parmanecer, não partirão, e não serão jamais deportados. Sim, as culturas vão se misturar, como sempre fizeram, desde a antiguidade sobre o território que chamamos França. Alhures isto já começou.

"Sim, haverá um dia, antes do final do século, um presidente francês cujo nome será Maomé, ou Ahmed, ou Norredine. Esta é uma perspectiva formidável, porque segundo a história, ao contrário do que dizem, este será autenticamente francês."

Desconhecimento, ingenuidade ou má fé? Aos leitores a interpretação!

Santa Joana D'Arc rogai pela sua França!


quarta-feira, agosto 30, 2017

Comparem os dois comportamentos!

CHEFE DO ESTADO MAIOR CANADENSE PARTICIPA DA PARADA DO ORGULHO GAY E CONVIDA TRANS A SE ALISTAREM NO EXÉRCITO

JPEG - 84.7 ko


Com cada vez mais frequência, em diferentes países ocidentais, os militares e os políticos participam uniformizados nos desfiles de homossexuais. Mas pela primeira vez no Canadá, o chefe do Estado Maior da Defesa, o general Johathan Vance, tomou parte pessoalmente na parada do orgulho gay, cercado de outros oficiais superiores de seu estado-maior.

O general Vance declarou, em particular, na ocasião:

"Os homens e mulheres, os trans das Forças Armadas canadenses, eu os encorajo a ficar conosco. Pensem numa carreira nas Forças Armadas canadenses."




MINISTRO DA DEFESA HÚNGARO ORDENA A SEUS OFICIAIS A LUTAREM CONTRA A IMIGRAÇÃO ILEGAL E A GUARDAR A FÉ CRISTÃ.




Deve-se ler e reler essas palavras de István Simicsko, ministro da Defesa húngaro, endereçadas a seus jovens oficiais quando estes prestavam seu juramento, na festa nacional húngara, no último 20 de agosto.

"Para que nossos filhos e nossos netos vivam como húngaros na Hungria, devemos defender nossas fronteiras com todos os meios à nossa disposição, e lutar contra o terrorismo e a imigração ilegal."

"Devemos guardar nossa fé cristã, neste mundo apressado e mutável. Não há outro caminho senão a fé cristã que recebemos de Santo Etienne para nos levar adiante."