quarta-feira, agosto 30, 2017

Comparem os dois comportamentos!

CHEFE DO ESTADO MAIOR CANADENSE PARTICIPA DA PARADA DO ORGULHO GAY E CONVIDA TRANS A SE ALISTAREM NO EXÉRCITO

JPEG - 84.7 ko


Com cada vez mais frequência, em diferentes países ocidentais, os militares e os políticos participam uniformizados nos desfiles de homossexuais. Mas pela primeira vez no Canadá, o chefe do Estado Maior da Defesa, o general Johathan Vance, tomou parte pessoalmente na parada do orgulho gay, cercado de outros oficiais superiores de seu estado-maior.

O general Vance declarou, em particular, na ocasião:

"Os homens e mulheres, os trans das Forças Armadas canadenses, eu os encorajo a ficar conosco. Pensem numa carreira nas Forças Armadas canadenses."




MINISTRO DA DEFESA HÚNGARO ORDENA A SEUS OFICIAIS A LUTAREM CONTRA A IMIGRAÇÃO ILEGAL E A GUARDAR A FÉ CRISTÃ.




Deve-se ler e reler essas palavras de István Simicsko, ministro da Defesa húngaro, endereçadas a seus jovens oficiais quando estes prestavam seu juramento, na festa nacional húngara, no último 20 de agosto.

"Para que nossos filhos e nossos netos vivam como húngaros na Hungria, devemos defender nossas fronteiras com todos os meios à nossa disposição, e lutar contra o terrorismo e a imigração ilegal."

"Devemos guardar nossa fé cristã, neste mundo apressado e mutável. Não há outro caminho senão a fé cristã que recebemos de Santo Etienne para nos levar adiante."





segunda-feira, agosto 28, 2017

Amoris Laetitia, o luteranismo a pleno vapor na Igreja Católica

Num extraordinário artigo no site OnePeterFive, o filósofo australiano Josef Seifert faz um exercício simple de lógica para mostra como a encíclica do Papa Francisco leva a impugnação da obrigação de seguir qualquer mandamento da Lei de Deus. O artigo se intitula Será Que a Lógica Pura e Simples Ameaça Destruir Toda a Doutrina Moral da Igreja Católica? Ele se demora no item AL303, da mencionada encíclica. Vou reproduzi-lo abaixo, como consta do site do Vaticano, em língua portuguesa:

"303. A partir do reconhecimento do peso dos condicionamentos concretos, podemos acrescentar que a consciência das pessoas deve ser melhor incorporada na práxis da Igreja em algumas situações que não realizam objetivamente a nossa conceção do matrimónio. É claro que devemos incentivar o amadurecimento duma consciência esclarecida, formada e acompanhada pelo discernimento responsável e sério do pastor, e propor uma confiança cada vez maior na graça. Mas esta consciência pode reconhecer não só que uma situação não corresponde objectivamente à proposta geral do Evangelho, mas reconhecer também, com sinceridade e honestidade, aquilo que, por agora, é a resposta generosa que se pode oferecer a Deus e descobrir com certa segurança moral que esta é a doação que o próprio Deus está a pedir no meio da complexidade concreta dos limites, embora não seja ainda plenamente o ideal objectivo. Em todo o caso, lembremo-nos que este discernimento é dinâmico e deve permanecer sempre aberto para novas etapas de crescimento e novas decisões que permitam realizar o ideal de forma mais completa."

Vou agora reproduzir um texto de Eric Voegelin sobre a sola fide, que se encontra nas páginas 297-98, do vol. IV das Histórias das Ideias Políticas: Renascença e Reforma. Deixo aos leitores a avaliação da ideia sugerida pelo título deste post.

"Como podemos dizer, pergunta Lutero, que apenas a fé justifica, considerando os mandamentos bíblicos de que o homem tem de obedecer a fim de ser justo perante Deus? A fim de manter a doutrina, temos de entender a Bíblia como dividida em duas partes, as leis do Velho e as promessas do Novo Testamento. As leis nos ordenam a praticar "várias boas obras"; mas o simples ordenar não as obtém. Ensinam-nos o que fazer; mas não nos dão a força de fazê-lo. Daí, a enumeração dos mandamentos tem de ser tomada como tendo o propósito de fazer o homem consciente de sua fraqueza, de sua inabilidade de realizá-los. O mandamento para não ser invejoso é a 'prova' de que somos todos pecadores, pois nenhum homem pode existir sem concupiscência 'faça o que ele quiser'. Ao medir seu desempenho pelo mandamento, o homem aprende a perder a confiança em si mesmo e a procurar por ajuda em outro lugar; quando entendeu seu próprio fracasso, experimentará ansiedade e medo da danação; sentir-se-á humilde e aniquilado, pois não pode encontrar nada em si que faria dele justo, e, finalmente, ele se desesperará.

"Quando o homem desceu até o estado de desespero, está pronto para receber a promessa: 'Se queres livrar-te de tua paixão má e do pecado crê em Cristo, em quem te prometo toda graça, justiça, paz e liberdade; crê, e terás; não creias, e não terás'. (...) Tudo o que o cristão precisa é de sua fé. O cumprimento dos mandamentos não é necessário para o justo; ao libertar o homem dos mandamentos, a fé liberta o homem das consequências do cumprimento impossível"

Então, depois de 500 anos, esse heresiarca, pervertido e egocêntrico ainda nos assombra, tendo penetrado até, ao que parece, na Santa Sé.

terça-feira, agosto 08, 2017

Macron planeja a islamização oficial da França




Revelações do Wikileaks dão conta de que Macron prepara uma completa islamização da França. Um dos documentos vazados intitulado Reforçar as Condições de Emergência de um Islã Local diz textualmente o seguinte.

A emergência de um islâ francês requer que se facilite a constituição de um islã local integrado:
 - Constituiir quadras confessionais nos cemitérios municipais (modificar os artigos L. 2213-9 e L 2223-13 da CGCT)
 - Autorizar a união de associações para a construção de lugares de culto (completar o artigo 20 da lei de 1905)
 - Oferecer a possibilidade a todas as coletividades a garantia de empréstimos a associações religiosas para a construção de locais de culto
 - Indicar no PLU os espaços reservados à edificação de locais de culto

Vantagens e oportunidades
> Favorecer a ancoragem local dos mussulmanos
> Reduzir as desigualdades de situação entre os cultos, facilitando um patrimônio imobiliário de culto
> Facilitar a aquisição de terrenos para a construção de templos

Riscos e inconvenientes
> Risco político - oposição dos cidadãos em luta contra o que poderia parece "acomodações razoáveis"
> Risco jurídico - fim da neutralidade dos espaços públicos nos cemitérios consignado na lei de 1905.

Notem que o processo é detalhado e mostra quão profundo é o envolvimento de Macron com a invasão islâmica da França, inclusive com mudanças específicas de legislação. Como uma nação católica como a França chegou a este estado!

Mais sobre a islamização da França:

Santa Joana D'Arc rogai pela sua França!